Dia Mundial da Seca: Biológico é a solução para evitar a desertificação e o consumo da terra

dia-mundial-da-seca:-organico-e-a-solucao-para-evitar-a-desertificacao-e-o-consumo-da-terra

O principal caminho a seguir para parar a desertificação dos solos e a seca é o método biológico.
De acordo com a AIAB, este dia mundial, celebrado a 17 de junho,  tem a intenção de nos lembrar ‘quanto a terra está morrendo de sede, e quanto essa é a causa de sofrimentos, guerras, fomes e migrações em muitos países do mundo, e que só podemos relembrar a importância do método da agricultura biológica na mitigação destes fenómenos’.
De acordo com o “Relatório sobre o consumo de terras, dinâmica territorial e serviços ecossistémicos “, publicado pelo ISPRA em 2020: A Itália perde 2 metros quadrados de terra por segundo, o que corresponde a aproximadamente 16 hectares por dia face, aliás, a uma diminuição da população, que portanto não necessita de ocupar mais espaços.
Isto pode significar, em algumas zonas do nosso país, uma redução das colheitas até 50%. Sem esquecer que a 21% da superfície, da qual a 41% no Sul, em risco de desertificação.
O Biológico, além de não utilizar substâncias tóxicas para o solo, baseia-se justamente na alternância de culturas, técnica que, garantindo produtividade constante, preserva a biodiversidade e torna a terra mais viva e fértil, evitando assim o esgotamento das monoculturas, a exploração excessiva e o uso de substâncias químicas utilizadas pelo método convencional.
O método biológico, além de mitigar as alterações climáticas graças à redução da emissão de dióxido de carbono no atmosfera, evita a erosão do solo, melhora a fertilidade e reduz o consumo de água que, especialmente nos países em desenvolvimento, é um bem cada vez mais precioso.
‘O bio é, portanto, um caminho cada vez mais obrigatório se quisermos inverter o caminho para o abismo.’

Adaptado do artigo Dia Mundial contra a Seca: Biológico é a solução para evitar a desertificação e o consumo de solos da Associação Italiana para a Agricultura Biológica(AIAB)

PortugueseSpanishEnglish

Menu Principal