Compostagem de caroços dos pêssegos: um exemplo de aproveitamento de resíduos orgânicos

Todos conhecem a Compal, como uma empresa portuguesa famosa pelos seus sumos, néctares derivados de tomate ente outros produtos.

A Compal teve a ideia de fazer a compostagem dos caroços dos pêssegos utilizados nos néctares de Compal.

Os resíduos provenientes da linha de transformação da fruta eram vistos como ‘lixo’ e enviados para aterro sanitário, o que gerava um problema ambiental e simultaneamente representava um custo adicional para a empresa com o pagamento das taxas de deposição em aterro, de acordo com a Compal.

Não sendo este o destino que a Compal queria para estes resíduos, tratou de encontrar soluções: “Tendo como objetivo minimizar o impacto ambiental da sua atividade, a Compal avaliou soluções alternativas que pudessem aproveitar estes resíduos orgânicos biodegradáveis, transformando-os em produtos que voltavam a gerar valor para a natureza e para o ser humano”.

O que acontece, então, aos caroços que são compostados?

A compostagem dos caroços de pêssego “é um exemplo perfeito e fechado de economia circular, em que um resíduo vegetal proveniente de uma atividade industrial é transformado num outro produto (composto fertilizante natural), que irá voltar à natureza enriquecendo os solos, para que as plantas, árvores, entre outros, possam crescer mais saudáveis e gerar bons frutos para a Compal utilizar nos seus sumos”.

Quantos caroços foram transformados?

De acordo com a empresa, em 2021 foram recolhidos e enviados para compostagem quase 200 toneladas (199,6 mil quilogramas de caroços de pêssego). Mas atenção que também são enviados para a compostagem outros caroços, sementes e cascas de outras frutas, como a ameixa, maçã e pera. 

Leia aqui o artigo completo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

PortugueseSpanishEnglish

Menu Principal