Comer de forma sustentável – é mais fácil do que pensa…

As pessoas estão cada vez mais conscientes de que, quando se trata de comida, o que é bom para o meio ambiente é bom para elas também. Na atual crise climática, o cultivo e o consumo de alimentos sustentáveis é extremamente importante. A pandemia Covid-19 colocou a agricultura em todo o mundo sob pressão, enquanto a guerra russa na Ucrânia desestabilizou ainda mais os mercados agrícolas já frágeis. E as ameaças à nossa segurança alimentar e nutrição das mudanças climáticas – secas, inundações e ondas de calor, bem como o aumento do nível do mar – estão programadas para crescer devido ao aquecimento global, afetando especialmente regiões vulneráveis.

Para a União Europeia, reforçar a resiliência e a sustentabilidade dos nossos sistemas alimentares é uma prioridade máxima, conforme estabelecido na Estratégia Farm to Fork da UE. É uma abordagem para produzir nossos alimentos de uma forma economicamente justa, que apoie a saúde e o bem-estar das pessoas e não prejudique o meio ambiente – e também é uma parte importante dos esforços mais amplos da UE para atingir a meta de emissões líquidas zero, ou neutralidade climática, até 2050.

Mas não se trata apenas de ação dos governos – todos têm um papel a desempenhar. Como consumidores, temos o poder de pressionar pela mudança. Escolhas simples de dieta e compras podem fazer a diferença, e nos tornar mais saudáveis no processo.

Qual é exatamente o problema com os  nossos sistemas alimentares?

O setor alimentício é atualmente responsável por quase um terço das emissões globais de gases de efeito estufa em todo o mundo – e subindo.

As emissões de metano liberadas pela pecuária e as emissões de óxido nitroso produzidas por alguns fertilizantes contribuem para as mudanças climáticas. O uso excessivo de fertilizantes de azoto degrada o solo, a água e o ar. Além disso, como o cultivo de mais culturas levou a um aumento do uso da água para irrigação, a agricultura agora é responsável por 70% do global consumo de água doce. A monocultura ou cultivar uma única cultura ano após ano na mesma terra, também reduz significativamente a biodiversidade. E quanto menor a variedade de plantas, animais e outros seres vivos em um ecossistema, menos resistente ele se torna.

Como a agricultura e a alimentação ajudam de forma sustentável?

De acordo com o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), mudanças em nosso estilo de vida e comportamento, possibilitadas por políticas certas, infraestrutura e tecnologia, podem resultar em um Redução de 40 a 70 % nas emissões de gases de efeito estufa até 2050. Uma dessas mudanças-chave seria mudar para dietas mais equilibradas, sustentáveis e saudáveis, além de reduzir a perda e o desperdício de alimentos. Práticas sustentáveis de gestão do solo, como conservação e reutilização de água, uso de fertilizantes orgânicos e plantação de árvores em terras agrícolas, também ajudarão a reduzir o impacto ambiental global da agricultura.

Mas não é só o ambiente que se beneficia. A dependência excessiva de monoculturas nos torna vulneráveis em caso de seca ou doenças agrícolas, o que pode criar problemas de abastecimento. Cultivar uma variedade de culturas pode ajudar a garantir a segurança alimentar – ou seja, uma situação em que todos têm acesso a alimentos seguros e nutritivos suficientes.

Por último, mas não menos importante, comer uma dieta sustentável é bom para nossa saúde. Aqui estão algumas dicas de como comer de forma mais saudável:

  • comer “alimentos integrais” mais nutritivos e não processados, como frutas, legumes, leguminosas, peixes e ovos;
  • evitar alimentos ultraprocessados, como refeições prontas ou bebidas açucaradas que contenham ingredientes adicionados, como açúcar, aromatizantes artificiais e conservantes;
  • comer menos carboidratos refinados, como pão branco e massas, que contêm menos fibras, vitaminas e minerais do que, por exemplo, pão marrom e massa de grãos integrais;
  • resistir às gorduras trans que estimulam o colesterol encontradas em alimentos fritos e fast food;
  • reduzir sua ingestão de carne vermelha e sal – e enquanto você está nisso, por que não tentar uma dieta totalmente vegetariana ou vegana por um tempo?

Como vê a embaixadora do Pacto Climático português e especialista em segurança alimentar Amélia Delgado, comer de forma sustentável também é parte vital de uma cultura regional próspera. “A dieta mediterrânea, por exemplo, abrange as variações locais”, diz ela. “Na Itália, Portugal, Espanha ou Grécia, você verá culinárias baseadas em ingredientes locais e sazonais.”

E, novamente, todos se beneficiam. “Dietas sustentáveis são protetoras e respeitosas com a biodiversidade e os ecossistemas. São economicamente justas e acessíveis, nutricionalmente equilibradas e saudáveis”, diz Amélia.

A sustentabilidade também é central no Plano de Ação da UE para o desenvolvimento da produção biológica. O objetivo é ter pelo menos 25% das terras agrícolas na UE sob agricultura biológica até 2030. Isso vem em cima de outras metas estabelecidas na estratégia Farm to Fork, como um corte de 50% no uso de agrotóxicos e fertilizantes ou redução da perda e desperdício de alimentos, entre outros.

Então, o que precisa acontecer?

Amélia gostaria de ver mais esforços para melhorar a alfabetização alimentar – ou seja, a compreensão das pessoas sobre o impacto que suas escolhas alimentares têm sobre sua saúde, comunidade e meio ambiente. “Não é apenas sobre o que você come – é sobre o que você não come”, enfatiza. “Ao escolher um refrigerante com sabor de fruta em vez de uma maçã, você está optando por vitaminas, antioxidantes e fibras.” E, claro, produtos alimentares insustentáveis estão impulsionando não só a obesidade e as doenças, mas também impactando as mudanças climáticas; por exemplo, amelia ressalta, produtos ultra processados e embalados são muitas vezes feitos de monocrops que são plantados após a desmatada das florestas.

A conscientização é, portanto, vital. A embaixadora do Pacto Climático Italiano, Marina Kovari, é representante do movimento Slow Food Bologna, que visa incentivar as culturas e tradições alimentares locais. Ao fazê-lo, aproxima os consumidores dos produtores, ajudando a ressaltar a importância dos produtos de origem local e da biodiversidade regional na criação de pratos saborosos e nutritivos.

Podemos reduzir nossa pegada de carbono fazendo pequenas escolhas alimentares ambientalmente conscientes – sem comprometer a qualidade.

Compre sazonal e local

Vá a um mercado de agricultores locais ou use um esquema de caixa vegetal em vez de comprar produtos importados fora de época, o que muitas vezes é mais caro. Ou, ao procurar produtos locais e sazonais no supermercado, não deixe de conferir o país de origem no rótulo. Se a procura por produtos de origem local aumentar, então os agricultores poderão se concentrar em culturas sazonais que são mais adequadas aos seus ambientes locais.

Esta solução também pode ser deliciosa. “Comida local sazonal muitas vezes é fácil de cozinhar”, diz Amélia, que mora no sul de Portugal. “Gosto de cozinhar feijões largos – para comer com uma fatia de pão – com cebola picada e alho, azeite virgem, hortelã, coentro, salsa, cominho, vinho branco e talvez um pouco de carne.”

Coloque seus dedos verdes em bom uso

É surpreendentemente fácil cultivar seus próprios produtos. Tomates cereja crescem bem em potes em varandas ensolaradas, assim como morangos, alface e ervas, enquanto framboesas, courgettes e abóboras são de baixa manutenção para crescer no jardim. Por que não cavar um pouco para descobrir quais variedades prosperam em sua região, e aprender a cultivar as suas próprias?

Seja esperto sobre as leguminosas

Nem todas as culturas são iguais quando se trata de impacto ambiental. Cultivar arroz em campos de pastagem, por exemplo, libera muito metano – um potente gás de efeito estufa. Por que não comprar quinoa, que é rica em proteínas, ferro e outros minerais e vitaminas?As leguminosas como feijão e lentilha não são apenas saborosos e nutritivos, mas também capturam azoto do ar e armazenam no solo, tornando-o mais fértil e reduzindo a necessidade de fertilizantes nitrogenados. Ou pode escolher pães feitos a partir de culturas como cevada e sorgo, que são especialmente resistentes à seca e requerem menos água e manutenção do que o trigo tradicional. Dê uma olhada mais de perto no que está disponível em sua padaria local e não tenha vergonha de expressar seu interesse em diferentes grãos.

Dê uma segunda oportunidade a desperdícios.

Muitos de nós, sem querer, deitamos fora partes de plantas que são realmente comestíveis. Pontas de cenoura podem ser transformados em pesto; folhas de beterraba são deliciosas refogadas em azeite. Pode assar as cascas para fazer batatas fritas ou assar sementes de abóbora para outro lanche saudável. Antes deitar fora os restos, faça uma pequena pesquisa sobre se podem realmente ser comestíveis.

Troque carne vermelha por branco, e coma mais plantas

A carne, e particularmente a carne bovina, impulsiona a mudança climática de duas maneiras: primeiro, porque as vacas emitem o metano do gás do efeito estufa; e segundo, porque as florestas são destruídas para criar terras para pastagem e alimentação animal crescente. Embora não tenha que eliminar a carne de sua dieta, pode tentar trocar carne por frango ou peixe, e experimentar com uma nova receita sem carne uma ou duas vezes por semana.

Aqui está o que pode fazer a seguir

Continue lendo e aprendendo sobre esse assunto. Tente fazer este teste para encontrar quaisquer lacunas em seu conhecimento. Converse com amigos e familiares sobre os benefícios da alimentação sustentável – diga a eles como está alterando a sua dieta e compartilhe receitas sazonais ou à base de plantas.

Saiba mais aqui em Comer de forma sustentável – mais fácil do que você pensa? (europa.eu)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

PortugueseSpanishEnglish

Menu Principal